A falta de significado e os buzzwords

O mundo digital que estamos vivendo trouxe muitos problemas para as empresas do ponto de vista da comunicação, e o principal dele foi o excesso que prejudica o significado das mensagens. Já vimos no artigo anterior “Quer vender mais, aprenda a ouvir” como a mudança na emissão e recepção das mensagens afetou a dinâmica comunicacional das empresas.

A partir do momento em que os consumidores passaram a ser também emissores das mensagens aumentou exponencialmente a quantidade de mensagens produzidas diariamente, ao ponto de sermos chamados de “Sociedade da Informação”.

Sabe-se que quando todos estão falando sobre tudo é como se ao mesmo tempo ninguém estivesse falando de nada porque torna-se impossível compreender toda a informação gerada. E é isso o que está acontecendo com a comunicação da maioria das empresas.

Buzzwords

São tantas palavras e frases utilizadas sem cuidado que acabaram perdendo o seu significado e tornaram-se uma buzzword, ou seja, uma palavra ou frase que se torna muito popular por um período de tempo (criando um verdadeiro zumbido ao seu redor) e que devido ao seu uso excessivo acaba por perder o seu significado. Eis alguns exemplos:

 marketing, felicidade, propósito, alimentação saudável, pensar fora da caixa, seja você mesmo, épico, memorável

O problema é que ao se utilizar de palavras e frases que se tornaram buzzword a comunicação da sua empresa deixa de ser original e torna-se comum. A palavra felicidade é amplamente utilizada na publicidade, mas quando você pensa em algo que te faz feliz é uma marca ou um produto que te vem à cabeça?

Exemplos

Significado e felicidade Significado e felicidade Significado e felicidade Significado e Felicidade

Lembrando que cada área de atuação costuma ter suas próprias buzzwords e deve-se evitá-las para não cair no clichê e na ausência de significado do conteúdo.

Crie Significado

A comunicação nesta “Sociedade da Informação” não pode se reduzir a diversos adjetivos ou palavras que se tornaram buzzword porque elas não convencem mais. Como ensinei no artigo “Como convencer seu cliente de que sua empresa é a melhor” é preciso que haja uma ação que comprove o discurso para que este seja válido.

Portanto, a sua empresa pode utilizar a palavra felicidade em sua comunicação desde que comprove que o produto ou serviço realmente oferece condições para que ela exista.

Cultura Organizacional

O significado do discurso utilizado também se perde quando a empresa, internamente, não é aquilo que mostra na comunicação. Provavelmente comprar um carro é um motivo de grande felicidade para o cliente e a marca pode explorar este fato. Mas será que quem trabalha naquela concessionária ou montadora é feliz? Quais atitudes são realizadas para que isso aconteça?

Conhece-te a ti mesmo

Para que a empresa possa criar um discurso significativo é preciso que, primeiro, ela conheça sua essência. Questionar-se é o primeiro passo: Por que a empresa existe? Qual o seu propósito? O que ela oferece realmente? Quais são os diferenciais? Que tipo de pessoas estão dispostas a pagar pelo o que oferece? Que diferença faz na sociedade?

Ao se conhecer será possível identificar quais são as palavras-chaves para o seu negócio e assim utilizá-las no dia a dia da sua comunicação, tanto internamente quanto externamente.

Conhecer seus clientes também é importante neste processo de construção de significado: Quem são seus consumidores? O que eles buscam? Quais são suas necessidades? Como sua empresa pode ajuda-los?

Relacione-se

Ter todas essas informações é essencial para se fazer uma boa comunicação, mas não se assuste pensando que para obtê-las será necessário investir uma fortuna em pesquisa de mercado. O segredo está na própria comunicação.

Converse mais com seus funcionários. Ouça suas opiniões. Não tenha medo de ouvir críticas, são elas que permitirão que sua empresa cresça. Desenvolva um relacionamento transparente com eles.

Ouça seus clientes. O que eles dizem sobre sua empresa e seus produtos/serviços? Pergunte mais, se interesse mais pelas suas “dores”. Não tente vender felicidade quando a única coisa que importa é uma entrega rápida. Desenvolva um relacionamento verdadeiro com eles.

 

Ser uma empresa com significado e vivenciar seu verdadeiro propósito. Este é seu único diferencial porque nenhum concorrente conseguirá copiar o que sua empresa é na sua essência. Pense nisso 😉

By | 2017-07-06T08:08:39+00:00 6 de julho de 2017|Comunicação|

About the Author:

Atua há oito anos como consultora nas áreas de comunicação, marketing e design. Desenvolveu uma metodologia própria de trabalho baseada no princípio de people first no qual auxilia as empresas a venderem de forma natural e contínua ao colocarem as pessoas em primeiro lugar, em todas as suas ações internas e externas.